sexta-feira, 11 de maio de 2007

“Sombras de arvores não calam este calor em mim
Uma quentura de brasas em forma humana
Quase celestial...
Rouba de mim minha inocência
Provoca-me com sonhos, e acorda-me na noite;
Vingo em ti os agouros do mundo
Mato-te em alguma esquina
Roubaram-me meus pensamentos mais a frente
Sentaremos em tonéis de deuses
E no nosso plural seremos um só
De singularidade extravagante
Sempre a frente
Com medo e odor de chuva
Que se faça o amor sempre!
Que me tenha toda noite nu em tua cama
Correndo risco, em riste,
E sei que tudo termina ao amanhecer.”
Ouro Preto, 10 maio de 2007)

2 comentários:

Bi Santos disse...

hum...
nasceu!

marcelo disse...

Este poema imagino tenha sido parido num daqueles dias de ressaca pura, onde a luz do dia fere os olhos, por isso a necessidade da lua.

Visitantes

Loading...