quinta-feira, 31 de março de 2011

“minha alma que chora


Debruçada sobre o pobre papel

Mancha de lágrimas o borrão

Do instrumento de escrita

Quem nem grita,

Agüenta em puro penar

O lamento desta saudade

Coisa que tende a aumentar

Com o avanço da doce idade”



Nenhum comentário:

Visitantes

Loading...