domingo, 15 de abril de 2007

PERNAS

minhas pernas
balançam sozinhas no quarto
brotam da saia rodada
como galhos de feijão
no algodão molhado

arrancaram os pêlos que as protegiam
e agora tenho frio

as pernas são sensíveis as rendas aos bordados
mesmo as que cantam
histórias de infância

minhas pernas sentem o vento no quarto
e o maior ventilados do mundo
cobre-as de folhas claras

e por toda a cama há flores claras
acima de meus joelhos
escondem-se as pernas mais claras
as que envergonham-se
inibidas,
com o balanço do quarto
(Gabriela Caramuru)

Nenhum comentário:

Visitantes

Loading...