sábado, 31 de março de 2007

E a noite ainda nos calava a cada beijo,
A cada silêncio molhado algo mudava
E a noite ainda nos calava
Tal qual em noites passadas em claro
Olhando o inóspito nada ver
O desejável momento de voar
Já que dos sonhos nós vivíamos,
E de sonharmos muito longe
Acabamos nos perdendo entre viagens,
Agora estamos entre nós
Cada qual com sua dor sem vida”
(Ouro Preto, 14 março 2007)

Nenhum comentário:

Visitantes

Loading...