sábado, 29 de junho de 2013

... é por isso que vendo nas ruas...


"Abreviaram os limites do meu apartamento, talvez por pura provocação aos meus sonhos, que andam tão espaçosos. A vida espremeu. Lagrimei palavras amargas. Remexi uma das minhas bolsas, onde encontrei palavras soltas - que trataram de se ordenar só para abrigarem meus lamentos -, de um moço poeta que troca sua arte mais por sorriso que por dinheiro. Fiz delas minhas também, que me perdoe: não sei não fazer (m)eu o que me causa arrepio, ou mesmo o que me desnorteia (já é hora mesmo de mudar meu norte). Alguns encontros alimentam. Quis agradecer ao moço poeta pelo colo que me deram suas palavras. (Talvez também eu queime “ardendo demais”.)"

Ana Paula Schwengber



Nenhum comentário:

Visitantes

Loading...